Abidip formaliza pedido ao MPF para que investigue suspeita de formação de cartel entre armadores

Pedido de investigação de armadores já foi feito ao Ministério das Relações Exteriores, sem retorno, agora a expectativa recai sobre o MPF.

O presidente da Associação Brasileira dos Importadores e Distribuidores de Pneus (Abidip) Ricardo Alípio se reuniu no fim de março com um representante do Ministério Público Federal (MPF) em Brasília.

Na ocasião, o procurador da república Luiz Augusto Lima foi consultado sobre a possibilidade de investigar suspeita de formação de cartel entre armadores – donos de navios que controlam o tráfego internacional de contêineres.

O procurador informou que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) já atuou com êxito em casos semelhantes de jurisdição internacional.

A resposta do MPF deu ao presidente da Abidip esperança de que os aumentos abusivos no preço do frete internacional durante a pandemia, finalmente, tenham uma solução definitiva.

Segundo Alípio, “a expectativa é que seja instaurado um procedimento investigativo, com produção de provas, para poder responsabilizar eventuais culpados que possam ter se aproveitado de um momento de crise sanitária e de descompasso no comércio internacional para maximizar lucros, agravando o cenário de caos”.

Denúncia

Na representação ao MPF, a Abidip deixa claro que até agora se trata apenas de suspeita, mas juntou ao documento uma série de relatórios, inclusive do Governo dos Estados Unidos, que demonstram aumentos astronômicos nas margens de lucro dos armadores.

O frete de importação da Ásia para o Brasil atingiu, em janeiro deste ano, US$ 11.150, valor 5,7 vezes superior ao de janeiro de 2020, pré-pandemia, uma disparada de 472%.

A Abidip suspeita que existem outras razões relacionadas ao exponencial aumento de preços do frete internacional e, principalmente, à manutenção desses preços em patamares absolutamente extraordinários – a despeito da crescente acomodação entre oferta e demanda.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *