Jul27

Pneus velhos transformam pavimentação de ruas e estradas brasileiras e ajudam ABIDIP a atingir 100% da meta de destinação definida pelo IBAMA

Em 2015, os 45 importadores associados à ABIDIP (Associação dos Importadores e Distribuidores de Pneus) atingiram 100% da meta de coleta e correta destinação de pneus inservíveis definida em legislação pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), através da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e pela Resolução Conama nº 416, dispositivos que exigem que importadores coletem ou contratem empresas que façam a correta destinação dos pneus importados (na proporcionalidade de 1 pneu importado para 1 reciclado).

Diferentemente da prioridade de destinação para cimenteiras, onde os pneus inservíveis servem apenas como combustível para alimentar caldeiras – podendo causar poluição  na atmosfera -, a ABIDIP sempre foca suas ações de sustentabilidade e meio ambiente em iniciativas que se revertam em aspectos positivos para a sociedade, incentivando a correta destinação para a geração de subprodutos como asfalto-borracha, pisos, vasos, lombadas, cones de sinalização, óleo e gás para geração de energia, além de orientar e educar o consumidor, frotistas e transportadores sobre a importância da correta destinação de pneus usados em pontos de coleta, que são as próprias lojas que revendem os pneus.

Outro alicerce do programa de sustentabilidade e meio ambiente da ABIDIP é o apoio a questões sociais e de saúde pública – que permitem a mitigação e o combate a focos de proliferação do mosquito da dengue. Todo pneu recolhido nas lojas credenciadas por seus importadores em todo o Brasil é acondicionado em galpões fechados ou dentro de contêineres até seu devido processamento final, ou encaminhamento para uma recicladora.

O projeto de transformar o pneu em pó para uso em asfalto é realizado em parceria com a Greca Asfaltos (a maior empresa produtora de asfalto-borracha do país) e a Strasse Reciclagem de Pneus no Paraná e também envolve recicladoras parceiras em outros estados do Brasil. A Strasse realiza o trabalho de coleta e faz o processamento dos inservíveis em chips de pneus transformando-os em pó e uma de suas sedes fica na Colônia Penal Agrícola de Piraquara, no Paraná, iniciativa que permite a ressocialização de presos - que recebem 75% do valor de um salário mínimo e a cada três dias de trabalho abatem um de pena. O salário recebido é destinado a indenizar danos causados pelo crime, à assistência da família, a pequenas despesas pessoais e/ou depositado em uma conta poupança que é resgatada quando o detento ganha liberdade. Essa ação foi possível através da formação de convênio com o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR) que autorizou a montagem de uma usina de processamento de pneus velhos dentro da colônia penal.

“Nós temos um olhar muito especial e responsável para a questão do meio ambiente”, afirma o Diretor Executivo da ABIDIP, Milton Favaro Junior. “A ABIDIP não compreende todos os importadores de pneus do Brasil e não tem prerrogativa legal de gerir as coletas. Na realidade não somos maioria, porém, nosso trabalho é justamente o de zelar para que os empresários do setor, que pertencem a nossa associação, cumpram suas metas de destinação e eduquem seus clientes e seus pares quanto à questão do descarte adequado”, diz.

Segundo Milton Favaro Junior, só zelar e educar não basta. “A questão é bem mais complexa e precisamos ajudar a indústria da reciclagem em tratativas em todas as esferas de governo - federal, estaduais e municipais. Precisamos desonerar este setor que já usa produtos que trouxeram impostos em todas as cadeias produtivas e precisam sair de cena.  Pedimos apoio a essas indústrias, incentivamos a fundamentação de leis como a do asfalto-borracha nos diversos legislativos estaduais e federal, e instruímos nossos associados a contratar empresas que fiscalizamos e sabemos que são idôneas no processo de reciclagem, ou seja, as que realmente fazem o processamento dos pneus inservíveis para existência de um subproduto ecologicamente correto.”

Asfalto-borracha é prioridade

Um desses subprodutos é a transformação do pneu inservível em asfalto-borracha, uma tecnologia que já é aplicada há mais de 50 anos nos Estados Unidos e que no Brasil vem crescendo ano a ano, graças ao trabalho desenvolvido pela ABIDIP, Strasse e Greca Asfaltos. Dados da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) mostram que dos 6.156 Km iniciais de pavimentação de estradas com a utilização de asfalto-borracha em 2004, hoje já são 451.480 Km.

“Sempre focamos em primeiro ponto o asfalto-borracha e para construir isso fechamos acordo com a Strasse Reciclagem, uma das empresas mais completas do segmento, ajudamos a construir a relação com a Colônia Penal Agrícola de Piraquara e celebramos parceria com a maior empresa produtora de asfalto-borracha do Brasil, a Greca Asfaltos, uma empresa com mais de 55 anos de tradição e que já realizou nos últimos 14 anos a pavimentação de 8.000 Km de asfalto-borracha, com a utilização de 8.024.175 pneus inservíveis retirados da natureza”, diz Milton Favaro Junior.

“Não é por acaso, que estradas como o Sistema Anchieta-Imigrantes e a Rodovia dos Bandeirantes, consideradas as melhores estradas do Brasil usam asfalto-borracha, um pavimento que reduz o ruído, o spray de água, é 40% mais resistente e tem vida útil 30% maior que o asfalto comum”, relata o Diretor Executivo da ABIDIP.

Outras destinações

“Para a ABIDIP, o pneu é um produto muito nobre para ser simplesmente queimado em cimenteiras. Temos um acordo com a Kasmaq, indústria  recicladora de São Paulo, que fabrica tipos diferenciados de produtos que trazem inúmeros benefícios e aplicações como as que estamos fazendo na substituição de vasos de xaxim – que hoje estão proibidos de serem cortados e retirados da natureza - cones de sinalização, lombadas em condomínios e shoppings. Outro exemplo é que nossos pneus velhos estão sendo usados na aplicação de pavimentos de borracha nas Olimpíadas Rio 2016. Temos também um acordo com indústrias que utilizam pneus em processos de pirólise, onde se retira óleo e pó de borracha e se gera energia através de gás. Tudo isso é retirado de pneus velhos e é dessa forma que os 45 associados da ABIDIP constroem suas ações de sustentabilidade, através de parcerias e soluções inovadoras que premiem ações sociais e ambientais que revertam em valores sustentáveis para toda a sociedade”, diz Milton Favaro Junior.