Dec17

Minas Gerais vai usar asfalto ecológico para suprir malha rodoviária

Minas Gerais, o estado que conta com a maior malha rodoviária do Brasil, deu um passo importante para resolver um problema de infraestrutura que atormenta a vida dos gestores do transporte nacional: o asfalto ecológico (ou borracha) em substituição ao asfalto comum para calçar as ruas de suas 853 cidades e os mais de 269 mil Km de estradas que cruzam o estado.

IMG 0525 480x640Da malha rodoviária de exatos 269.546 quilômetros de extensão, cerca de 7,7 mil Km são de estradas federais, 23,7 mil Km são de rodovias estaduais e 238,2 Km de rodovias municipais. Todas as estradas federais são pavimentadas, 9,7 mil quilômetros de rodovias estaduais precisam de pavimentação e a maioria das estradas municipais não tem asfalto, destaca o Portal de Notícias do Governo de Minas Gerais.

Para suprir essa necessidade, o governo local aprovou a Lei Estadual 18.719/2010, que prevê a utilização de pneus fora de uso para produção de massa asfáltica utilizada na construção e recuperação de vias públicas. Dados da PINI, empresa especializada em Construção Civil, apontam que o uso de pó de borracha - extraído de pneus velhos ao ligante asfáltico - aumenta a durabilidade do pavimento em até 40%.

Esse grande incentivo levou a RECICLAP (STRASSE Reciclagem de Pneus) – com o apoio da Associação Brasileira dos Importadores e Distribuidores de Pneus (ABIDIP) – a investir R$ 4,5 milhões na construção da primeira recicladora de pneus do Estado de Minas Gerais voltada ao beneficiamento de pneus inservíveis a serem destinados à produção de asfalto ecológico.

A nova unidade será construída na Região Metropolitana de Belo Horizonte e terá capacidade para processar 600 toneladas de pneus inservíveis por mês no primeiro estágio do projeto. Os grânulos e o pó de borracha gerados pela trituração dos pneus velhos serão usados para a produção do asfalto verde, ou ecológico e utilizados para a pavimentação de estradas e ruas de Minas Gerais.

O projeto está sendo conduzido pela STRASSE em parceria com a ABIDIP, a maior entidade de importadores independentes do Brasil, que terá como papel fundamental fomentar a matéria-prima ao projeto.

“Esse projeto em Minas vem sendo construído há mais de um ano e verdadeiramente transforma o pneu inservível em algo útil para a população, ao se traduzir em ruas e estradas mais seguras para o livre trânsito de veículos e pedestres”, diz o Diretor-Executivo da ABIDIP, Milton Favaro Junior.

O executivo ressalta que um dos pontos focais da ABIDIP, em relação à coleta e correta destinação de pneus considerados inservíveis, é a aplicação do pneu reciclado em bens e produtos que possam favorecer a população. “Esse projeto é nobre na medida em que atende esse princípio e conta com tecnologia de ponta, desenvolvida, exclusivamente, pela STRASSE para esse fim”, diz Favaro Junior.

O Projeto

A nova planta recicladora de pneus inservíveis da STRASSE tem data prevista de inauguração no segundo semestre de 2015.

IMG 0518 640x480Com capacidade para a reciclagem de 600 toneladas de pneus por mês, a unidade irá realizar a trituração e a moagem de pneus inservíveis, processo que dará origem aos grânulos de borracha e ao pó de borracha.

Após esse processamento, a STRASSE repassará o material para empresas que fabricam o asfalto ecológico, fomentando um ciclo de sustentabilidade que permite retirar pneus usados do meio ambiente e transformá-los em asfalto ecológico, um produto que tem durabilidade muito maior que o asfalto comum e é mais seguro.

Para Joel Custódio, sócio da STRASSE, a lei estadual vigente em Minas Gerais foi de fundamental importância para a instalação da nova unidade da empresa. “Minas Gerais já está à frente por possuir uma lei específica que incentiva o uso do asfalto ecológico na pavimentação e na reforma de todas as estradas sob a administração do Departamento de Estradas e Rodagens (DER)”, aponta.

Na visão de Milton Favaro Junior, o exemplo de Minas Gerais deveria ser seguido por todos os estados brasileiros, seja em função da necessidade de suprir a infraestrutura do transporte, seja porque atende com qualidade superior o asfalto comum, sem contar a função de sustentabilidade e meio ambiente, que é a retirada de pneus usados do meio ambiente, dando-lhe uma finalidade ímpar para a sociedade, que são estradas e ruas mais seguras. Vale lembrar que alguns estados já possuem essa lei, como Paraná e São Paulo, mas a maioria não tem nem projeto.

“Esse é o melhor caminho para todos, pois temos uma malha rodoviária gigante e com muito a crescer, mas a maioria das estradas e ruas brasileiras encontra-se em péssimas condições. O asfalto borracha já provou que, se aplicado corretamente, dura muito mais que o asfalto comum, em médio prazo, custa menos, e em longo prazo nem se fala, pois o Estado não precisa pagar tantas manutenções, algo que onera o bolso do contribuinte e causa transtornos ao trânsito”, diz o Diretor-Executivo da ABIDIP.

IMG 0527 487x640“Estou feliz por este projeto estar se concretizando em Minas Gerais e acredito que, assim como no Paraná, onde já contamos com duas plantas de processamento e reciclagem para asfalto borracha, teremos outra em Minas e, se possível, vamos apoiar outras em outros estados do Brasil”, constata.

Pegada Social

Assim como em Minas Gerais, a STRASSE e a ABIDIP atuam juntas em programas de reciclagem de pneus com a finalidade de uso em asfalto borracha no Paraná.

“A STRASSE tem uma megaestrutura dentro da Greca Asfaltos, a maior produtora de asfalto borracha do Brasil”, além de uma planta de trituração em Colombo. A grande novidade será a instalação de uma nova unidade no Complexo Penitenciário de Piraquara, uma iniciativa onde detentos (em regime semiaberto) ganharão um salário e 75% desses vencimentos serão depositados em uma conta-poupança que esses detentos poderão usar assim que cumprirem a pena”, diz Milton Favaro Junior, ao ressaltar que todas essas iniciativas são apoiadas e fundamentadas pela Lei do Asfalto Borracha do Paraná.

O que é asfalto borracha

O asfalto borracha é um asfalto modificado por borracha moída de pneus. Além de ser uma forma nobre para dar destino aos pneus inservíveis, resolvendo um grande problema ecológico, o uso de borracha moída de pneus no asfalto melhora em muito as propriedades e o desempenho do revestimento asfáltico.

É recomendado para aplicações que requeiram do ligante asfáltico um desempenho superior, alta elasticidade e resistência ao envelhecimento, tais como revestimentos drenantes, SMA (Stone Mastic Asphalt), camadas intermediárias de absorção de tensões, camadas antirreflexão de trincas e outras.

Entre suas vantagens estão: a alta elasticidade, resistência ao envelhecimento e excelente relação custo/benefício.

 

Você Sabia que:

 

  • O Asfalto borracha é usado nos Estados Unidos há mais de 40 anos?
  • 70% da malha rodoviária do estado norte-americano do Arizona tem essa pavimentação?
  • Apenas 8 mil Km de estradas no Brasil são pavimentadas com asfalto borracha?
  • O Grupo EcoRodovias já conta com 22% das estradas que administra com esse asfalto?
  • O Grupo CCR tem 15% de suas estradas pavimentadas com asfalto borracha?
  • O asfalto borracha tem mais aderência e ajuda a evitar derrapagens, pois reduz o spray entre o pneu e o solo em dias de chuva?
  • Em rodovias de alto tráfego, o asfalto borracha pode durar até cinco anos e em rodovias de baixo tráfico, entre 25 e 30 anos?
  • Em 1 Km de rodovia com asfalto borracha é possível reutilizar entre 600 e 1.000 pneus inservíveis?

 

Vantagens ambientais

 

O uso de pneus descartados (que no Brasil chegam a 30 milhões por ano) na produção de asfalto leva a uma economia de:

 

.Petróleo (R$ 14 milhões/1.000 km em asfaltos);

.Pedras (R$ 26 milhões/1.000 km);

.Energia (R$ 10 milhões/1.000 km em transporte);

.Tempo de viagens (25 milhões veículos/ano);

.Aterros sanitários (R$ 8 milhões/1.000 km).

 

Fonte: Consórcio Univias