May08

Exportações de trading companies permanecem estáveis no trimestre

As exportações realizadas pelas empresas do tipo trading companies permaneceram estáveis no primeiro trimestre deste ano, repetindo o valor registrado no mesmo período de 2013, de US$ 5,118 bilhões.

A China foi o principal destino das exportações brasileiras do setor no trimestre, com vendas somaram US$ 2,324 bilhões, representando 45,4% do total exportado.

Na sequência, apareceram: Coreia do Sul (US$ 316,9 milhões, participação de 6,2%), Japão (US$ 298,1 milhões, 5,8%), Países Baixos (US$ 235,5 milhões, 4,6%), Itália (US$ 155,2 milhões, 3%), e Bélgica (US$ 144,1 milhões, 2,8%).

Entre os principais produtos vendidos ao mercado externo pelo segmento tiveram predominância de produtos básicos (86,7%). No conjunto dos industrializados, os manufaturados representaram 8,8% e os semimanufaturados, 4,5%.

Entre os básicos, os principais itens foram: minério de ferro (US$ 3,329 bilhões, participação de 65% do total exportado), soja em grão (US$ 758,2 milhões, 14,8%), milho em grão (US$ 167,5 milhões, 3,3%), farelo de soja (US$ 114,4 milhões, 2,2%), e carne bovina (US$ 27,9 milhões, 0,5%).

As importações brasileiras do setor totalizaram, de janeiro a março, US$ 1,016 bilhão (crescimento de 3,9% em relação ao mesmo período do ano anterior).

O principal mercado de destino também foi o maior fornecedor do setor no trimestre. As importações da China chegaram a US$ 246,7 milhões, valor equivalente a 24,3% das compras totais. Na segunda posição está a Argentina (US$ 157,8 milhões, participação de 15,5%), seguida por Estados Unidos (US$ 78,2 milhões, 7,7%), México (US$ 70,3 milhões, 6,9%), Alemanha (US$ 68,7 milhões, 6,8%), e Reino Unido (US$ 63,4 milhões, 6,2%).

As aquisições brasileiras efetuadas por trading companies foram compostas, principalmente, por bens industrializados.

Do total das compras realizadas em 2014, os industrializados representaram 96,5% - sendo 89,9% de manufaturados e 6,6% de semimanufaturados.

Os destaques foram: automóveis de passageiros (US$ 372,5 milhões, participação de 36,6% do total importado), aparelhos transmissores e receptores de telefonia celular (US$ 82,9 milhões, 8,2%),pneumáticos (US$ 34,6 milhões, 3,4%), máquinas automáticas para processamento de dados (US$ 31,5 milhões, 3,1%), e fio-máquinas e barras de ferro e aço (US$ 20,8 milhões, 2%).

A soma de exportações e importações realizadas por meio de empresas tipo trading companies chegou a US$ 6,134 bilhões no primeiro trimestre de 2014. Houve crescimento de 0,6% em relação ao mesmo período de 2013 (US$ 6,097 bilhões).

O resultado das duas operações foi um superávit de US$ 4,102 bilhões, valor 0,9% menor que o registrado em 2013 (US$ 4,140 bilhões).

As vendas externas via trading companies representaram 10,3% de tudo o que foi exportado pelo Brasil no mesmo período (US$ 49,588 bilhões), e a participação das compras externas via trading companies foi de 1,8% do importado pelo país em período (US$ 55,660 bilhões).

Trading companies

As vendas ao exterior por intermédio das empresas trading companies são classificadas como exportações indiretas e são equiparadas às exportações diretas no aspecto fiscal. Elas apresentam vantagens, principalmente, para o pequeno e médio produtor nacional que não dispõem de uma estrutura própria dedicada às operações de comércio exterior.

Acesse os dados da balança comercial das trading companies

Fonte: MDIC